Yanomamis continuam morrendo no governo Lula

Após visita de Lula a Roraima em fevereiro, governo prometeu resolver crise humanitária atribuída à gestão anterior; mas até julho, 154 indígenas yanomamis já morreram, quase metade crianças com até 4 anos

Em fevereiro, Lula desembarcou em Roraima para denunciar ao mundo a crise humanitária na terra yanomami — imediatamente atribuída à gestão de Jair Bolsonaro. No fim daquele mês, dados do Ministério da Saúde registravam 42 mortes de indígenas. O governo organizou uma força-tarefa liderada pelo Ministério dos Povos Indígenas para poder resolver o problema, mas as medidas tomadas até agora parecem não ser suficientes. Até 7 de julho, o número de óbitos chegava a 154, sendo 48% de crianças menores de 4 anos.

Do total de mortes, 47 ocorreram em hospitais, outras 104 no próprio território indígena, sendo Auaris (33) e Surucucu (14) os líderes em ocorrências fatais.

Segundo o Sistema de Informações de Saúde Indígena (Siasi), doenças infecciosas têm sido a principal causa de morte dos indígenas, com destaque para pneumonia (34). As ocorrências de síndrome respiratória aguda grave nos primeiros sete meses chegaram a 3.059, mais que o registrado em todo o ano de 2022. Os casos de gripe saltaram de 3.203 no ano passado para 10.254 este ano. O GT de Imunização informa ter vacinado mais de 17 mil indígenas contra influenza, covid e demais vacinas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com