Pocah revive MC Pocahontas em novo disco dedicado ao funk carioca: ‘Quem viveu vai relembrar’

A cantora Pocah lançou um novo EP na última sexta-feira, 15. Focado no funk que a apresentou ao mundo em meados dos anos 2000, a artista revive MC Pocahontas em clima de nostalgia, com parcerias internacionais e sem deixar de tocar da sua maneira em pautas e tendências atuais, como o feminismo e o reggaeton, nas faixas “Olha e Baba” e “Solta-Te”, respectivamente. Ao portal da Jovem Pan, a diva pop contou que se inspirou na sua trajetória para narrar o novo EP. “Estou muito entusiasmada e empolgada, causa essa ansiedade gigantesca, estou meio eufórica, mas faz parte. O EP nasceu através do meu álbum ‘Cria de Caxias’, acho que dei uma empolgada e construí mais de 50 faixas de uma vez num período de um ano e meio. São músicas muito boas, me identifico muito. Dividimos em três projetos. Esse ano eu vou lançar dois EPs, o primeiro é a ‘Braba É Ela’, composto por cinco faixas”, resumiu. “Me inspirei em mim, desde a interpretação aos beats. Minha maior inspiração foi a MC Pocahontas. Antes da Pocahontas, já tive influências de artistas do funk: Valesca, Katia, várias dessas mulheres me inspiraram muito para gravar e na hora do show. Trouxe também para o meu EP”, detalhou.

Em “Assanhadinha”, segunda faixa do projeto, Pocah conta um pouco de sua história na cidade em que nasceu, Duque de Caxias. A parceria com o artista local MC Durrony relembra a sua adolescência nos bailes da região e segue um tom similar a “Sento Rebolando”, um de seus maiores sucessos no funk. “Memória afetiva por ter vivido isso. A música conta uma história, gosto de reviver isso. Dou pitaco em tudo, na produção e interpretação. Quis trazer algo nostálgico, vocês vão lembrar de ‘Sento Rebolando’. É a mesma interpretação que eu costumava cantar quando era mais novinha. Quem viveu vai relembrar”, contou.

Ao mesmo tempo, Pocah faz questão de pontuar a relação de suas raízes com a faixa. “A gente fala do Baile da RQ, o primeiro baile onde eu vivi minha experiência de ir em baile de favela. Tive o desprazer de ver gente dizendo que eu era mais uma cantora [subindo o morro para gravar um clipe]. Muitas vezes a pessoa não sabe quem sou eu não sabe minha história nem de onde eu vim”, desabafou. “É na comunidade onde cresci, sou do funk carioca, me considero pop funk, mas meu berço é o funk carioca. Tudo tem uma história. Não vim de paraquedas”, considerou.

Para além das raízes, Pocah busca novos rumos com “A Braba É Ela”. Pela primeira vez, a ex-BBB se aventurou em uma parceria com artistas colombianos, cantada exclusivamente em espanhol. Os artistas se conheceram no carnaval de 2020 e discutiram a possibilidade de fazer uma música juntos. Pocah conta que ao longo da pandemia, reformulou sua fluência no idioma e chegou a regravar a faixa com influências do reggaeton. “ é a primeira música que eu me arrisco a cantar em outra língua. Conheci os meninos do Piso 21, eles me convidaram para gravar uma música do zero. Meu espanhol ainda era muito ruim, mas ninguém teve a coragem de falar que estava ruim, fui perceber depois. Ninguém merece no meu primeiro feat internacional fazer vergonha”, brincou.

Veja o clipe de “Assanhadinha”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com