Dólar atinge menor valor em 15 meses no Brasil e fecha em R$ 4,73

Movimento acompanhou o cenário externo com recuo da divisa norte-americana ante as demais moedas de países exportadores de commodities; analistas preveem fim do ciclo de aperto monetário nos EUA e na Europa

dólar à vista registrou queda de 0,98% ante o real nesta segunda-feira, 24, cotado a R$ 4,7328 reais na venda. Esta é a menor cotação de fechamento para a moeda norte-americana desde 20 de abril de 2022, quando estava em R$ 4,618. O movimento acompanhou o recuo da divisa norte-americana ante as demais moedas de países exportadores de commodities. Na B3, às 17h20, o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 1%, a R$ 4,7395. No início da sessão, o dólar chegou a oscilar no território positivo no Brasil, mas rapidamente migrou para o negativo, acompanhando o movimento externo. O dia no exterior foi de certo otimismo, com os índices de ações sustentando leves ganhos nos Estados Unidos.

Internamente, o movimento foi amplificado pela disparada de ordens de venda quando o dólar atingiu certos patamares técnicos, conforme profissionais ouvidos pela Reuters. “O dólar ficou oscilando entre R$ 4,75 e R$ 4,80 por cerca de 30 dias, mas este nível está ficando para trás, porque a tendência é de baixa”, comentou José Faria Júnior, diretor da consultoria Wagner Investimentos. “Ele está voltando para a mínima do ano passado, que é perto de 4,65 reais. Precisamos ver se conseguirá superar este novo patamar”, acrescentou. Um operador afirmou à Reuters que houve impulso adicional de queda, com ordens de stop (parada de perdas) sendo disparadas, quando o dólar para agosto — o vencimento mais próximo entre os contratos futuros — se aproximou dos 4,740 reais nesta segunda-feira. “O câmbio ficou muito tempo ensaiando a perda dos 4,80 reais”, pontuou Cleber Alessie Machado, gerente da mesa de Derivativos Financeiros da Commcor DTVM.

Segundo ele, a divisa à vista finalmente rompeu este patamar em sintonia com o exterior, onde há uma leitura “cada vez mais consolidada que caminhamos para o fim do ciclo de aperto monetário nos EUA e na Europa”. Na mínima da sessão, registrada às 12h25, o dólar à vista foi cotado a R$ 4,7240 (-1,17%). Depois disso, a divisa se recuperou um pouco, mas ainda fechou com queda firme. Como pano de fundo para o movimento desta segunda-feira, 24, a crise relacionada ao transporte de grãos no Mar Morto, que envolve Ucrânia e Rússia, está longe de terminar. Este fator, somado à seca nos EUA que afeta commodities como milho e soja — produtos de exportação do Brasil –, tem dado suporte aos preços das commodities agrícolas, o que favorece divisas como o real, em detrimento do dólar.

Nesta segunda-feira, 24. a Rússia destruiu armazéns de grãos ucranianos no rio Danúbio, em um ataque de drones. Além disso, investidores no Brasil aguardam pela divulgação na terça-feira do Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) de julho e pela decisão de política monetária do Federal Reserve na quarta-feira, 26. No fim da tarde, o dólar se mantinha em queda ante boa parte das divisas de exportadores de commodities, mas subia ante uma cesta de moedas, após o euro ser penalizado por números industriais ruins. Às 17:20 (de Brasília), o índice do dólar –que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas – subia 0,30%, a 101,390. Pela manhã, o BC vendeu todos os 16 mil contratos de swap cambial tradicional ofertados na rolagem dos vencimentos de setembro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com