Banco Central Europeu aumenta taxa de juros da zona do euro em tentativa de conter a inflação

Banco Central Europeu aumenta taxa de juros da zona do euro em tentativa de conter a inflação

O Banco Central Europeu (BCE) aumentou a taxa de juros em 0,25 ponto percentual pela oitava vez consecutiva. A decisão divulgada nesta quinta-feira, 15, é uma tentativa de conter a inflação na zona do euro. Segundo estimativas da organização, o nível inflacionário continuará “muito alto” nos próximos meses. A presidente do BCE, Christine Lagarde, considerou “muito provável” que haja novos aumentos na próxima reunião da instituição em julho, porque ainda há um “caminho a percorrer” para conter a alta de preços na zona do euro. O BCE indicou em comunicado que as suas decisões futuras “garantirão” que as suas principais taxas de juros “atinjam níveis suficientemente restritivos para permitir que a inflação volte rapidamente à meta de médio prazo de 2%”. “Permanecerão nesses níveis pelo tempo que for necessário” e a instituição tomará suas decisões com base nos dados e nas projeções econômicas atuais, acrescentou. Depois de uma década de dinheiro barato, o BCE iniciou um ciclo sem precedentes de ajuste monetário para conter o aumento dos preços ao consumidor após a ofensiva da Rússia na Ucrânia. Ao aumentar as taxas, os bancos centrais reduzem sua demanda de crédito e, portanto, o investimento e o consumo das famílias e das empresas, tendo como consequência a desaceleração da demanda e a pressão sobre os preços. Desde julho de 2022, o BCE aumentou suas taxas em 4 pontos percentuais.

O aumento de preços na zona do euro caiu para 6,1% na comparação anual em maio, longe do recorde de 10,6% em outubro, mas também longe da meta de 2% do BCE. Segundo as novas projeções da instituição, a inflação chegará a 5,4% em 2023, ante 5,3% previstos em março, e cairá para 3,0% em 2024 e 2,2% em 2025. A entrada da zona do euro em recessão não afetou a determinação da instituição: o Produto Interno Bruto (PIB) dos 20 países que compartilham a moeda única caiu 0,1% entre janeiro e março, após uma queda da mesma magnitude no trimestre anterior.  Ao perceber essa desaceleração, o BCE revisou para baixo suas previsões de crescimento e agora espera um crescimento do PIB de 0,9% este ano, acima do 1,0% previsto anteriormente. A previsão é de uma expansão econômica de 1,5% em 2024 e 1,6% em 2025. “O Banco Central Europeu continua seu ciclo de aumentos e não anuncia sinais de pausa [nos aumentos de juros] no futuro previsível”, disse Carsten Brzeski, do ING Bank.  Segundo Isabel Schnabel, membro do comitê executivo do BCE, os efeitos da política monetária não serão imediatos e serão sentidos sobretudo em 2024, embora ainda haja “uma grande incerteza sobre a força e a velocidade deste processo”.

O Banco Central dos Estados Unidos (Fed) decidiu na quarta-feira, 14, deixar suas taxas inalteradas, depois de dez aumentos consecutivos, para se dar tempo de avaliar a situação. Mesmo assim, as autoridades do Fed planejam aumentar as taxas novamente no final de 2023.  A China, por outro lado, cortou sua principal taxa de juros nesta quinta-feira, com o objetivo de impulsionar o crescimento na segunda maior economia do mundo, após a divulgação de dados decepcionantes. As vendas de varejo do gigante asiático, principal indicador do consumo das famílias, aumentaram 12,7% na comparação anual em maio, ante 18,4% no mês anterior, e o índice de desemprego entre os jovens de 16 a 24 anos subiu para 20,8%, um recorde.

*Com informações da agência AFP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com