Civis passam a noite em telhados a espera de resgate após destruição da represa na Ucrânia; sete pessoas estão desaparecidas

Civis passam a noite em telhados a espera de resgate após destruição da represa na Ucrânia; sete pessoas estão desaparecidas

Equipes ucranianas e unidades russas seguem resgatando milhares de civis das áreas inundadas após a destruição da represa de Kakhovka, que abastece a Crimeia, anexada pela Rússia em 2014, e está localizada na direção das tropas ucranianas que almejam reconquistar os territórios ocupados. A responsabilidade ainda é desconhecida. Rússia e Ucrânia seguem se acusando, mas não foi possível identificar o culpado. Alguns especialistas independentes dizem que a barragem pode ter desabado devido a danos anteriores e intensa pressão sobre ela. As autoridades temem uma catástrofe humanitária e ecológica. Segundo a TASS, agência de informações russa, sete pessoas estão desaparecidas. A cidade de Kherson, sob controle ucraniano desde novembro, a 70 km da represa, estava com as ruas inundadas. Estimava-se que o pico das enchentes aconteceriam nesta quarta-feira, 7. Centenas de ucranianos tivera de passar à noite e a madrugada em áreas altas, como telhados e árvores para escapar das inundações. Segundo o promotor Andrii Kostin, mais de 17 mil civis tiveram de ser retirados das áreas inundadas. “Mais de 40 mil pessoas podem estar em áreas inundadas. Infelizmente, mais de 25 mil civis estão no território sob controle russo”, disse no Twitter. Um funcionário de alto escalão instalado pelos russos na parte da região de Kherson (sul) sob seu controle anunciou a retirada de cerca de 900 pessoas das áreas ocupadas perto do rio Dnieper. Segundo a Organização das Nações Unidas, mais de 16 mil pessoas já perderam suas casas e esforços estão em andamento para fornecer água potável, dinheiro e apoio legal e emocional aos afetados. Eles também informaram que 42 mil pessoas estão e situação de risco devido às inundações. O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, informou que milhares de pessoas ainda não foram retiradas da região e estão sem acesso à água.

A Ucrânia afirmou que o ataque contra a represa, tomada pela Rússia nos primeiros dias da guerra – em fevereiro do ano passado -, foi uma tentativa de Moscou de frear a esperada ofensiva de Kiev, que segundo o governo não será afetada. Zelensky disse que os russos detonaram uma “bomba ambiental de destruição em massa”. Mais de 150 toneladas de óleo de motor foram derramadas no rio e milhares de hectares de terra arável serão inundados, de acordo com Kiev. “Perdas de peixes já foram registradas perdas na região”, alertou o ministério ucraniano da Agricultura, que também citou uma futura haverá escassez de água para irrigação com o esvaziamento do reservatório de Kakhovka. A Rússia, por sua vez, acusou a Ucrânia de “sabotagem deliberada”. Para o primeiro-ministro ucraniano, Denys Shmyhal, a Rússia provocou “uma das piores catástrofes ao meio ambiente das últimas décadas”. Os aliados ocidentais da Ucrânia também criticaram o ataque, que coloca em risco a vida de civis, em uma região já devastada pela guerra. O governo dos Estados Unidos afirmou que a explosão pode ter provocado várias mortes. Contudo, apesar da catástrofe, funcionários russos e ucranianos informaram que não houve vítimas fatais.

represa destruida

O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou que o ataque é “outra consequência devastadora da invasão russa à Ucrânia”. A China, aliada crucial da Rússia, expressou preocupação com “impacto humano, econômico e para o meio ambiente” da explosão. Oleksander Prokudin, comandante militar da região de Kherson, afirmou que a “água ainda subirá um metro nas próximas 20 horas”. A destruição parcial da represa, construída na década de 1950, provoca o temor de consequências para a central nuclear de Zaporizhzhia, que fica a 150 km de distância, porque a usina hidrelétrica de Kakhovka garante água de resfriamento para o local. A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) destacou, no entanto, que “não há perigo imediato” e acrescentou que os especialistas estão monitorando a situação. Assim como a represa, a central nuclear fica em uma área ocupada pelas forças russas. A cheia do rio Dnieper, que tem a margem direita sob controle das forças ucranianas e a margem esquerda sob domínio de Moscou, submergirá as linhas de defesa russas. Mas afetará, em particular, as forças ucranianas e a sua eventual operação militar na região, como parte de uma contraofensiva para recuperar territórios no sul e leste do país.

*Com agências internacionais 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com